sábado, 21 de abril de 2018

Candidíase: O que é e como prevenir

A candidíase é uma infecção causada fungos do gênero Candida. Existem mais de 20 espécies de Candida, sendo que a mais comum a afetar os seres humanos é a Candida albicans.

A candidíase é uma doença que tem cura e pode afetar diversas áreas do corpo, como as partes íntimas, a boca, a pele e até mesmo ser sistêmica. A mais comum é a vaginal, atingindo 3 em cada 4 mulheres ao longo da vida.

Quando a doença afeta as partes íntimas, seus sintomas incluem coceira, vermelhidão, inchaço, entre outros. Quando afeta a boca, manchas brancas aparecem. Na pele, causa irritação. E quando é sistêmica, pode trazer sérias complicações, como problemas no sistema imune.

A candidíase não é uma DST. Por afetar a região genital, muitas pessoas acreditam que a Doença é Sexualmente Transmissível, mas não é.

O tratamento para candidíase envolve o uso de antifúngicos tópicos ou orais para combater a infecção. Para prevenir seu aparecimento e reaparecimento, ter cuidados com a higiene pessoal é extremamente necessário.

É muito importante ficar atento aos sinais da candidíase para que ela não se alastre e fique sem tratamento, pois existem muitos mitos com relação ao seu tratamento.



Transmissão

A candidíase normalmente não é transmitida. Na maior parte dos casos, ela é causada por deficiências no sistema imune e problemas de higiene ou no intestino. Entretanto, ela pode sim ser transmitida de uma pessoa para outra.

Quando a mulher tem candidíase, por exemplo, a transmissão da doença para o(a) parceiro(a) pode ocorrer.

Entretanto, no homem, a doença normalmente é assintomática, fazendo com que o risco do parceiro voltar a infectar a cônjuge depois dela já ter se curado da doença seja grande, pois durante o sexo, existe a troca de fluídos e o atrito da pele, que pode fazer com que o fungo passe de uma pessoa para outra.

Por essa razão, é importante que, quando diagnosticado na mulher um caso de candidíase, tanto o homem quanto a mulher façam o tratamento para a doença, mesmo que ele não apresente sintomas.

Fatores de risco

A candidíase é muito mais comum em mulheres do que homens. Estudos indicam que 3 em cada 4 mulheres sofrem ou vão sofrer de candidíase em algum momento da vida, enquanto nos homens, a proporção é de 2 a cada 10.

Existem alguns períodos em que as mulheres estão mais propensas a contrair a candidíase. São eles:

- Durante o uso de antibióticos

- Quando é portadora de diabetes

- No período menstrual

- Durante o uso de anticoncepcionais

- Quando se faz uso frequente de roupas apertadas ou molhadas

- Quando se anda com os pés descalços ou ao partilhar luvas

- Ao fazer higiene íntima mais de 2 vezes por dia e usar absorvente por mais de 3 horas seguidas

- Durante a relação sexual com o parceiro contaminado

- Caso se tenha HIV ou qualquer doença que deixe o sistema imunológico debilitado;

- Durante a gravidez.



Como prevenir

Existem algumas atitudes que você pode tomar no seu dia a dia para evitar que a candidíase ocorra. Dentre eles, estão:

- Lavar e secar bem a região íntima antes de dormir;

- Utilizar roupas pouco apertadas e de algodão;

- Dar preferência para ingestão de alimentos com probióticos e lactobacillus, como iogurte;

- Dormir sem calcinha;

- Fazer a higiene íntima com gel vaginal com pH entre 3,8 e 4,5, evitando todos os produtos e sabonetes com químicos.

- Uma outra dica valiosa é evitar a ingestão de alimentos ricos em carboidratos, gorduras e açúcar, já que eles são a principal fonte de alimento do fungo causador da candidíase vaginal.

Fortalecer o sistema imunológico

Como a doença normalmente se faz presente quando o sistema imunológico se encontra enfraquecido, fortalecê-lo é uma boa opção para prevenir e até mesmo tratar a doença. Confira algumas precauções que você pode tomar:

Fazer uso de probióticos

Além de liberarem pequenas quantidades de ácido lático e acético, que mantém a acidez estomacal em níveis saudáveis, os probióticos ajudam a reduzir a quantidade de Candida albicans no seu estômago.

Um estudo de 2009 da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, concluiu que um equilíbrio saudável das bactérias no intestino melhora o sistema imunológico. Níveis normais de bactérias aumentam a eficácia do sistema imune e ajudam o corpo a combater agentes patogênicos, pois a absorção de nutrientes ocorre da melhor forma possível.

Tomar vitaminas

A vitamina C ajuda a tratar a candidíase de 3 maneiras:

Fornecendo suporte às glândulas suprarrenais, dois pequenos órgãos essenciais para o metabolismo e a regulação do açúcar no sangue, assim como a produção de anti-inflamatórios e anti-histamínicos;

Estimulando o sistema imunológico, fornecendo mais força para o sistema imune combater a candidíase;

Aumentando a quantidade de ácido no estômago, o que retarda o desenvolvimento da candidíase.

As vitaminas A, E, bem como o ácido pantotênico, também conhecido como vitamina B5, são outras opções para fortalecer o sistema imune.

A vitamina A ajuda o corpo a derrotar infecções influenciando células em certas superfícies mucosas. Já o uso da vitamina E tem se mostrado uma boa forma de aumentar a eficácia do sistema imune.

Plantas medicinais e fitoterápicos

O uso de alguns remédios à base de plantas pode ajudar a diminuir o estresse no sistema imunológico. Entretanto, antes de iniciar qualquer tratamento com plantas medicinais ou com fitoterápicos, consulte um médico.

sexta-feira, 20 de abril de 2018

CHÁ DE ALECRIM E SEUS BENEFÍCIOS

Usado desde a Idade Média, o chá de alecrim é uma bebida bastante consumida e que traz diversos tipos de benefícios para a saúde.

A erva era um dos segredos de rejuvenescimento da rainha Elizabeth da Hungria, que recebeu a indicação do chá de alecrim de um monge, que também prometia saúde e alegria para quem o consumisse.

Nessa época o chá de alecrim era bastante utilizado para combater tristeza, especialmente em casos mais severos, como a depressão.


Para que serve o chá de alecrim
Tosse, gripe e doenças respiratórias
O alecrim é uma erva expectorante e estimulante, ajudando a controlar problemas como tosse, gripe (principalmente as acompanhadas de catarro) crises de asma e outras doenças respiratórias.

O chá de alecrim ajuda a combater depressão, estresse, estimula o bom humor e melhora a memória
A erva também pode ser usada para auxiliar no emagrecimento (Foto: depositphotos)

Trata pressão alta
A erva também possui propriedades que ajudam a melhorar a circulação sanguínea, beneficiando diretamente pessoas que soforem de hipertensão.

Melhora a memória
Um estudo aponta que devido a presença do ácido carnósico, que tem propriedades neuro-protetoras e ajuda na redução de tóxicos que poluem o cérebro, o alecrim aumenta a capacidade da memória e pode prevenir doença de Alzheimer.

Estimula o bom humor
E esse ácido não é responsável apenas pelo estímulo da memória. O mesmo estudo provou que o cheiro exalado pelo planta é uma excelente forma de manter o bom humor.

Saiba mais: Aprenda como fazer óleo de alecrim caseiro e usufrua de seus benefícios

Combate o stress
Muito indicado para quem sofre de estafa mental, o alecrim é capaz de relaxar e acalmar os nervos, pois aumenta o fluxo sanguíneo, tem propriedades antioxidantes para o sistema nervoso e traz benefícios para o cérebro.

Ajuda a digestão
A bebida feita a partir da erva tem propriedades sudoríferas e é digestivo, ajudando nos sintomas de má digestão. O chá de alecrim também é uma excelente forma natural de limpar o fígado.

Emagrece
A ingestão do chá de alecrim ajuda a eliminar excessos de líquido do corpo, pois possui ação diurética. Também contribui para tratar ansiedade, evitando que o individuo busque consolo na comida. O alecrim é rico em minerais como o potássio, cálcio, sódio, magnésio e fósforo. A ingestão dessas vitaminas e minerais favorece ajuda a emagrecer de forma saudável.

Alivia a enxaqueca
Conhecida no mundo da medicina alternativa há séculos devido à essa função, a erva é um popular tratamento natural para quem deseja acabar com as dores provocadas pela enxaqueca. Para esse fim, basta ferver um pouco de alecrim, colocar em uma tigela e inalar o vapor por cerca de 10 minutos.

Auxilia a menstruação
Além de facilitar e estimular a menstruação, o chá de alecrim também possui propriedades capazes de combater as cólicas menstruais.

Alivia dores reumáticas e contusões
As compressas feitas com o alecrim ou a massagem com o óleo essencial da erva é capaz de aliviar dores do reumatismo e a tratar entorses e contusões.

Veja também: Limonada e chá de alecrim para combater a oleosidade dos cabelos
Reduz gases
Devido a ação carminativa da bebida, doses diárias de chá de alecrim conseguem reduzir os gases intestinais.

Combate problemas bucais
Mau hálito, aftas, estomatites e gengivites podem ser combatidos a partir do bochecho feito com a tintura diluída em água.

Alecrim para o cabelo e pele
O óleo de alecrim é utilizado para fortificar o couro cabeludo, serve como um anti-caspa e combate a queda de cabelo. Faça a infusão com 30 gramas de folhas desidratadas de alecrim e um litro de água. Deixe a mistura repousando por 24hrs e depois utilize a receita para enxaguar os cabelos, logo após o uso do shampoo. O mesmo óleo também pode ser aplicado na pele para ajudar a prevenir rugas, manchas, acnes, dermatites, celulite e estrias.

Chá de alecrim
Ingredientes
-1 xícara de folhas secas de alecrim;
– Meio litro de água.

Modo de preparo
Deixe a água ferve e adicione as folhas dentro da panela. Depois de fervida, desligue o fogo e deixe o recipiente abafado por cerca de 15 minutos. O indicado é tomar três xícaras de chá por dia entre as refeições.


Contra-indicação do chá de alecrim
O chá ou tintura de alecrim devem ser evitados por mulheres que estão grávidas ou em processo de amamentação. Menores de 12 anos, prostáticos, pessoas com diarreia, gastroenterites e/ou histórico de convulsões também devem evitar o consumo da erva. Caso a essência de alecrim seja usada em excesso pode haver irritações na pele ou no couro cabeludo. A ingestão em dosagens exageradas do chá de alecrim também pode provocar irritações gastrointestinais e nefrite.

Aprenda a fazer óleo de alecrim em casa

O óleo de alecrim pode ser facilmente encontrado em lojas de produtos naturais, mas fazê-lo em casa é mais econômico. 

Veja a receita a seguir:

Ingredientes

– 1 xícara de alecrim ou 4 ramos de alecrim fresco;

– 250 ml de azeite de oliva.

Modo de preparar

1- Lave bem o alecrim e deixe secar completamente.

2- Em seguida, coloque o azeite de oliva em uma panela e leve ao fogo por 3 minutos.

3- Após esse período, adicione o alecrim e aguarde até começar a murchar. Deixe por apenas mais um minuto e desligue o fogo.

4- Retire os ramos de alecrim, coloque em um vidro e jogue o óleo por cima.

5- Tampe o vidro e guarde por uma semana num local arejado. Depois disso o seu óleo de alecrim caseiro já estará pronto para ser utilizado e você poderá aproveitar todos os seus benefícios.