quinta-feira, 18 de outubro de 2018

O que são alimentos construtores?

Você sabe o que é ou já ouviu falar em alimentos construtores? Com a função de construir novos tecidos no organismo, eles são ricos em proteínas e muito usados na dieta de quem deseja ganhar mais musculatura - como é o caso de muitos atletas - e ainda ajudam na cicatrização da pele. E não para por aí: eles também aumentam a imunidade e são fundamentais para regular o metabolismo. Descubra por que acrescentá-los no seu cardápio:
Melhora no metabolismo, aumento da imunidade e formação de tecidos estão entre os benefícios dos alimentos construtores
Os alimentos conhecidos como construtores são aqueles ricos em proteínas - como ovos, leite, oleaginosas, sementes e carnes, por exemplo. Eles são indispensáveis na dieta de qualquer pessoa por ajudarem a regular o metabolismo auxiliando na formação de hormônios, além de também funcionarem como aliados na prevenção de certas doenças por contribuírem com o aumento da imunidade.

No caso dos atletas e pessoas em geral que desejam aumentar a massa muscular, os alimentos com essa classificação são ainda mais comuns no cardápio. Isso se deve ao fato de eles ajudarem a formar novos tecidos musculares - o que, aliado aos exercícios físicos certos, contribui para a hipertrofia - ou seja, o aumento do tamanho dos músculos. Além desse, outro benefício dos alimentos construtores é direcionado para quem acabou de passar por uma cirurgia ou está com uma ferida e deseja acelerar a cicatrização, já que também auxilia na formação de tecidos epiteliais.

Consumo de alimentos construtores faz bem para crianças e idosos
Como uma das funções dos alimentos construtores é contribuir para o crescimento do corpo, eles são indispensáveis na dieta das crianças e adolescentes. O motivo? É porque fazendo parte da dieta diária, eles entregam os nutrientes necessários para que elas cresçam fortes e saudáveis. E esse mesmo benefício também vale para as grávidas, que precisam investir em alimentos que favoreçam o desenvolvimento do feto durante a gestação.

Já para os idosos, os construtores são indicados por ajudarem a impedir a perda da massa muscular. Sendo assim, para quem já deseja prevenir o problema, a dica é seguir uma dieta que conte com alimentos ricos em proteínas para que se formem novos tecidos musculares.

Alimentos construtores podem ser de origem animal ou vegetal
Os alimentos construtores podem ser divididos em dois grupos - os que contam com proteínas de origem animal e os que entregam esse nutriente através das de origem vegetal. Os primeiros são completos por terem todos os aminoácidos que o corpo precisa, enquanto os segundos são considerados incompletos por não contarem com todos eles em sua composição.

Lista de Alimentos Construtores
Os alimentos construtores são ricos em proteína, como:

Carnes, peixes e frango;
Ovo;
Leite e derivados, como iogurte e queijo;
Leguminosas como amendoim, feijão, soja, lentilha e grão-de-bico;
Quinoa;
Oleaginosas como castanha de caju, amêndoas, avelã e nozes;
Sementes, como gergelim e linhaça.

Esses alimentos devem ser consumidos diariamente para manter o bom funcionamento do organismo, sendo importante lembrar que pessoas vegetarianas devem ter especial cuidado para consumir fontes vegetais ricas em proteínas, de preferência de acordo com a orientação do nutricionista.

O Feijão é um poderoso aliado para quem deseja ter uma boa saúde

Tradicional da culinária brasileira, o feijão tem alto valor nutritivo e contribui para a sensação de saciedade, ajudando no processo de emagrecimento.
O feijão, seja em um prato com arroz, na salada, no copinho ou numa farta feijoada, é um alimento riquíssimo de sabor e de nutrientes, que todo brasileiro ama. Com cerca de 14 variedades todas com grande valor nutricional essa leguminosa (uma das mais ricas fontes de ferro) faz parte do item básico na refeição do país, sendo os tipos preto, carioca, branco e azuki os mais conhecidos. 

No Brasil, ao todo, são consumidos cerca de 12,7 quilos de feijão per capita por ano, o que é um ótimo hábito, já que o alimento é rico em diversas vitaminas e minerais. "O feijão é fonte de vitaminas B1, B2, B3 e B9 (que colaboram para o bom funcionamento do sistema nervoso e da medula óssea); em proteínas e minerais (potássio, ferro, fósforo, cálcio, cobre, zinco e magnésio) e lisina, aminoácido que contribui para o crescimento de crianças e adolescentes, essencial, mas que o corpo não produz", explica a nutricionista especializada em emagrecimento Sheila Basso.

A pouca quantidade de calorias (apenas 95 em uma concha cheia) aliada à sensação de saciedade é outro fator que conta a favor do feijão. No estômago, suas fibras formam um gel e, desta forma, permanecem mais tempo resultando em um tempo maior para que a sensação de fome se manifeste.
Com tantos prós assim, a leguminosa ganhou até recomendação do Guia Alimentar do Ministério da Saúde, que prevê a ingestão da dupla arroz e feijão todos os dias, na proporção de uma porção de feijão para três de arroz. É que o consumo diário desses alimentos também ajuda a prevenir doenças. "A fibra do arroz e a do feijão reduzem o risco de distúrbios cardiovasculares, diabetes, câncer de cólon e ainda contribuem para um melhor funcionamento do intestino", acrescenta Sheila.

Benefícios ao trato digestivo, à saúde bucal e prevenção de diversas doenças. Confira as razões para não abrir mão do feijão nas refeições:

Benefícios do consumo de feijão para a saúde

Fonte de vitaminas do complexo B
O feijão evita o cansaço, fadiga, alterações no humor e distúrbios neurológicos causados pela falta de vitaminas do complexo B no organismo.

Combate a anemia
O consumo de feijão evita a anemia ferropênica, ou seja, a anemia por deficiência de ferro. Se combinado a alimentos que contenham vitamina C, como laranja, o organismo absorve ainda mais o mineral.

Fonte de potássio
Por ser rico em potássio, o feijão colabora para a saúde do coração, além de contribuir para o relaxamento muscular, evitando cãibras, antes ou depois de atividades físicas.

Evita cáries
A união do arroz e o feijão proporciona uma dose diária de flúor que pode ajudar no controle de cáries nos dentes, já que eles absorvem melhor o flúor presente na água tratada.

Evita prisão de ventre
A alta concentração de fibras do feijão colaboram para o melhor funcionamento do sistema digestivo, facilitando o trânsito intestinal. Controla os picos de açúcar no sangue – Mais um benefício das fibras do feijão: elas evitam que o açúcar entre rapidamente na corrente sanguínea, mantendo as taxas de glicose ideais.

Efeito emagrecedor
O fato de ser pouco calórico conta muitos pontos a favor do feijão. Afinal, uma concha generosa do grão tem apenas 95 calorias (é menos do que tem um pão francês!). Mas o que faz a diferença é sua capacidade de saciar a fome. Isso se explica: quando ingerimos proteína (e o feijão tem muita), nosso cérebro entende que já estamos satisfeitas e que é hora de parar. Resultado: comemos menos e ficamos bem nutridas quando o consumimos.

quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Dieta do ovo para emagrecer

Não são poucas as dietas que prometem uma perda de peso rápida e milagrosa. Tem aquela que restringe os carboidratos, outra que só permite proteínas, e até uma que só permite frutas. O que quase todas elas têm em comum é que são altamente restritivas e falham em promover a reeducação alimentar.

Ao eliminar um grupo alimentar inteiro (como é o caso das dietas sem gordura, ou então das dietas low carb, que praticamente proíbem o consumo de alimentos ricos em carboidratos), essas dietas podem causar deficiências nutricionais e inevitavelmente acabam levando ao indesejado efeito sanfona. Ou seja, muitas dessas dietas milagrosas até emagrecem, mas a probabilidade de voltar a engordar tudo de novo é bastante alta, já que não houve uma alteração nos hábitos alimentares, mas somente a exclusão de determinados alimentos.

Nesse cenário, a dieta do ovo cozido parece ser uma opção um pouco mais razoável, já que não exclui nenhum grupo alimentar ou sugere um consumo muito baixo de calorias. É importante entender como funciona a dieta do ovo cozido para emagrecer, o cardápio e dicas para não voltar a engordar novamente com o efeito sanfona.
O que é a Dieta do Ovo Cozido?
Esta dieta consiste em consumir um ovo poché ou cozido antes das três principais refeições diárias – café da manhã, almoço e jantar. O viés da dieta do ovo cozido para emagrecer é aumentar a saciedade com o ovo e reduzir o consumo de calorias durante a refeição seguinte.

Tudo isso, é claro, em conjunto com uma dieta levemente hipocalórica – ou seja, que contém menos calorias do que seu metabolismo necessita para realizar suas atividades diárias. Isso significa que a dieta do ovo cozido é um plano alimentar com restrição de calorias, que utiliza o maior poder de saciedade das proteínas para provocar uma perda de peso sem que você precise passar fome como em outras dietas altamente restritivas.

Como funciona a dieta do ovo cozido para emagrecer?
Por que incluir três ovos na dieta? O ovo emagrece? Existem, na verdade, várias razões pelas quais consumir ovos cozidos antes da refeição pode ser uma boa ideia para quem está tentando emagrecer. Veja por quê:

1. O ovo traz saciedade

O ovo é rico em proteínas e gorduras – são cerca de 6g de cada por unidade – dois nutrientes que possuem digestão mais lenta que os carboidratos e que portanto trazem mais saciedade. Para serem quebradas em aminoácidos, as proteínas do ovo exigem um grande gasto energético por parte do organismo, que se vê obrigado a retirar energia de suas reservas para auxiliar a digestão.

Ou seja, consumir um alimento rico em proteínas e sem carboidratos como o ovo acelera o metabolismo e causa uma mobilização dos estoques de gordura – sobretudo a abdominal, levando a um aumento da lipólise (queima de gordura) para auxiliar na digestão. Portanto, podemos dizer que o ovo cozido queima gorduras (na ausência de carboidratos).

Consumir um ovo inteiro antes de cada refeição fará com que você se sinta saciado com uma quantidade menor de alimentos na próxima refeição, facilitando a manutenção da dieta hipocalórica.

E essa afirmação tem comprovação científica. Em um estudo realizado pelo Rochester Center, nos Estados Unidos, pesquisadores constataram que o consumo de ovos no café-da-manhã pode diminuir o consumo de calorias ao longo do dia – podem ser até 400 calorias a menos em um período de 24 horas.

No estudo, 30 mulheres com sobrepeso ou obesas receberam um café da manhã que continha ou dois ovos ou um bagel (um tipo de pão em formato de anel) com um complemento, sendo que as duas opções tinham a mesma quantidade de calorias e proteínas.

Após acompanhar os hábitos alimentares das participantes do estudo ao longo do dia, os pesquisadores puderam notar que aquelas que haviam consumido os ovos no café da manhã sentiram menos fome antes do almoço, e como resultado acabaram consumindo menos calorias durante a refeição. E não foi só isso: durante as 36 horas seguintes, o grupo que comeu ovos consumiu, em média, 417 calorias a menos do que aquele que recebeu o bagel na primeira refeição do dia.

Vale lembrar que, para que você obtenha um resultado semelhante, sua dieta deverá ser hipocalórica.

2. O ovo é fonte de vitamina B12

A vitamina B12 ajuda a emagrecer de maneira indireta. Isso porque ela ajuda a metabolizar as proteínas e gorduras, produzindo energia que torna o organismo mais ativo durante o dia. Isso significa que a vitamina B12 estimula o metabolismo e pode auxiliar na redução das reservas de gordura do corpo.

Além disso, a vitamina B12 presente no ovo o deixará com mais energia e disposição para se exercitar, o que também poderá auxiliar no emagrecimento.

3. O ovo é fonte de triptofano

O ovo é uma das melhores fontes de triptofano, um aminoácido que estimula a produção de serotonina (um tipo de neurotransmissor) no cérebro. Entre outras funções, a serotonina pode controlar o apetite e diminuir a compulsão alimentar, além de também diminuir a ansiedade e o estresse.

Níveis adequados de triptofano no organismo podem diminuir a vontade de comer doces e facilitar o processo de emagrecimento através de uma diminuição da fome hedônica – ou seja, aquela fome que aparece mesmo quando o corpo não está com deficiência energética.

4. Comer ovos não causa picos de glicose

Essa é uma propriedade do ovo bastante interessante, sobretudo pela manhã. Ao acordarmos, nossa glicose está lá embaixo (afinal, ficamos pelo menos 8 horas em jejum) e tudo que nosso corpo precisa é de uma fonte de carboidratos para restabelecer suas taxas normais de açúcar no sangue.

Acontece que, se você consome um carboidrato logo ao acordar e sem uma fonte de proteína em conjunto, seus níveis de glicose vão lá para cima de maneira muito rápida, o que obriga o organismo a liberar uma grande quantidade de insulina para jogar essa glicose para dentro das células. E adivinha o que acontece quando toda a glicose vai para dentro das células? Isso mesmo, seus níveis de açúcar vão lá para baixo de novo, no que é conhecido como o famoso pico de glicose.

Quando isso acontece, seu cérebro envia um sinal para você se alimentar novamente, o que significa sentir fome logo após ter acabado de comer uma fatia de pão com geleia. E a má notícia é que isso ocorre ao longo do dia também, pois quando ficamos sem nos alimentar por muitas horas as taxas de glicose caem drasticamente.

Como possui digestão lenta e não contém carboidratos, o ovo não causa grandes oscilações na glicose sanguínea, o que o ajudará a controlar o apetite na primeira refeição do dia. Consumir um ovo antes da refeição principal poderá ajudá-lo a estabilizar a glicose sanguínea sem precisar sofrer com alterações bruscas de apetite logo em seguida.

5. Ovos favorecem a síntese de adiponectina

O consumo de ovos pode aumentar a produção de adiponectina, um hormônio que acelera o metabolismo, aumenta a queima de gordura, melhora a sensibilidade à insulina e diminui o apetite.

Mas o ovo não aumenta o colesterol?
O ovo é sem sombra de dúvidas o alimento mais controverso em nossa alimentação; em um dia é o melhor alimento do mundo, no outro não se deve nem olhar para ele. Felizmente, no entanto, grande parte das pesquisas realizadas nos últimos anos tem não somente absolvido o ovo como até recomendado o seu consumo. Por isso, parece uma boa ideia adotar a dieta do ovo cozido para emagrecer.

Para uma boa parcela dos profissionais da área médica, o consumo de até 3 ovos durante a semana não aumenta o colesterol e ainda pode ser benéfico para a saúde. Isso porque, como já vimos, o ovo é fonte de uma série de nutrientes importantes para a saúde, sendo considerado inclusive um dos alimentos mais completos do mundo.

Além disso, os cientistas têm comprovado que o consumo de colesterol na dieta não necessariamente aumenta os níveis de colesterol na circulação sanguínea. A justificativa seria que o fígado já produz, todos os dias, uma grande quantidade de colesterol. Assim, quando consumimos ovos na dieta, o fígado tende a produzir menos colesterol, mantendo estáveis as taxas de colesterol total na circulação.

Pesquisas sugerem que, para 70% dos indivíduos, o ovo não tem efeito sobre o colesterol, enquanto para as demais 30% o consumo de ovos pode elevar levemente as taxas de LDL (o colesterol ruim).

Algumas pessoas, no entanto, apresentam hipercolesterolemia familiar, uma condição hereditária que se caracteriza por taxas elevadas de LDL no sangue, independentemente do consumo de colesterol na dieta. Para quem apresenta a condição, o consumo de ovos (as claras costumam ser permitidas) deve ser evitado, sob o risco de elevar ainda mais as taxas de colesterol total. 

Cardápio da dieta do ovo cozido para emagrecer
Não existe um cardápio especifico para fazer a dieta do ovo cozido para emagrecer, uma vez que o objetivo é combinar o ovo com uma dieta hipocalórica, e não com determinados alimentos pré-selecionados.

Assim, o que temos abaixo é uma sugestão de um cardápio com poucas calorias e que inclui um ovo cozido (ou poché) antes de cada refeição principal. E sim, você deverá comer o ovo antes de fazer a refeição principal.
Café da manhã:

1 ovo cozido +

Opção 1: 1 xícara de café com leite desnatado + 2 torradas integrais + ½ mamão papaia;
Opção 2: 2 torradas integrais + 1 pote de iogurte desnatado + ½ manga;
Opção 3: 1 banana + 2 colheres de granola light + 1 xícara de café com leite desnatado.

Lanche da Manhã: 

Escolha somente uma das alternativas:

Opção 1: 1 pote de iogurte desnatado;
Opção 2: 1 maçã;
Opção 3: 4 morangos.

Almoço:

1 ovo cozido +

Opção 1: 1 filé de frango grelhado + ½ xícara de repolho cozido + salada verde;
Opção 2: 1 bife médio grelhado + ½ concha de feijão + salada com alface, pepino e couve;
Opção 3: Salada com alface + 1 fatia de queijo branco em cubos + 4 tomates cerejas picados + 2 fatias de peito de peru;
Opção 4: Sanduíche com duas fatias de pão integral + 2 folhas de alface + 2 colheres de atum em água + 1 rodela de tomate + 1 colher de creme de ricota light.

Lanche da Tarde:

Opção 1: 1 pera + 1 copo com água;
Opção 2: 1 maçã + 1 copo com água;
Opção 3: 2 castanhas + 1 goiaba.

Jantar:

1 ovo cozido +

Opção 1: Salada de rúcula, tomate cereja e alface + 1 fatia de queijo branco;
Opção 2: 1 filé de peixe (magro) grelhado + 1 batata pequena cozida + 4 tomates cerejas;
Opção 3: 1 filé frango + 2 colheres de arroz integral + salada verde.

Dicas
Confira algumas dicas para obter sucesso com a dieta do ovo cozido para emagrecer:

Prefira ovos caipiras e orgânicos;
Tente comer o ovo sem sal, já que o sódio aumenta a retenção de líquidos e irá deixar você inchado;
Não frite ou acrescente gordura aos ovos. Para aumentar a saciedade, o ovo deverá estar cozido e, no máximo, acompanhado de um tempero natural, como orégano ou salsinha;
Um ovo contém, aproximadamente, 70 calorias, o que dará um total de 180 calorias (para três ovos) para serem inclusas na sua soma diária;
Não faça a dieta por mais de uma semana, já que a quantidade de ovos é muito grande e pode causar problemas aos rins;
Continuar com sua alimentação normal e simplesmente acrescentar um ovo não irá fazer você perder peso; pelo contrário, você poderá até engordar caso opte por simplesmente adicionar três ovos à dieta sem fazer alterações nos hábitos alimentares;
Beba muita água, tanto para facilitar a eliminação de toxinas e diminuir o inchaço como para proteger os rins, que poderão ficar sobrecarregados ao processar a grande quantidade de proteínas dos ovos;
Não faça essa dieta se você tiver histórico de problemas renais ou níveis elevados de LDL (colesterol ruim);
Resista à tentação e não faça omelete, ovo mexido ou ovo frito. Limite-se ao ovo cozido, para prolongar a digestão e aumentar a saciedade sem exagerar nas calorias;
O cardápio acima é somente uma sugestão, já que a recomendação é que você procure um nutricionista para que ele o oriente com uma dieta que atenda suas necessidades específicas.

Lembre-se de que não existe dieta milagrosa, e somente a reeducação alimentar e a prática diária de atividade física podem fazer alterações significativas e permanentes no seu peso.

Conheça os benefícios do gergelim para a saúde

O gergelim, também conhecido como sésamo, é a semente de uma planta originária do Oriente, de nome científico Sesamum indicum. Além de deliciosas, as sementes de gergelim possuem muitos benefícios para a saúde, como melhorar a saúde óssea, proteger contra radiação, câncer, hipertensão, diabetes e inflamação.

Você pode encontrar sementes de gergelim preto, branco e marrom (quando há casca). Apesar das variações, o valor nutricional entre os diferentes tipos de semente de gergelim varia pouco.
As sementes de gergelim vem sendo cultivadas intencionalmente a mais de 3500 anos e utilizadas para remédio e alimento por várias civilizações. Elas podem ser consumidas cruas, como óleo ou manteiga. A manteiga de gergelim é conhecida como Tahine, muito popular na culinária árabe.

O gergelim tem propriedades tão benéficas porque está cheio de nutrientes como cálcio, ferro, magnésio, fósforo, manganês, cobre, zinco, fibra, tiamina, vitamina B6, folato, proteína, e triptofano – muitos nutrientes para uma semente tão pequena.
16 Benefícios do Gergelim – Para que serve e Propriedades
Entre os benefícios do gergelim está a prevenção da diabetes e do câncer, a melhora da saúde do coração e dos ossos, além de desacelerar o processo de envelhecimento do corpo como um todo e auxiliar no emagrecimento. Entenda para que serve o gergelim.

1- Pressão sob controle
Estudos mostram que o consumo de gergelim reduz a hipertensão e previne doenças cardíacas em geral. O magnésio presente nas sementes é um famoso aliado dos hipertensos e apenas uma mão cheia de sementes oferece 25% do magnésio necessário em um dia.

Um estudo publicado no Jornal de Medicina Biológica de Yale em 2006 mostrou que trocar outros óleos por óleo de gergelim diminui e pressão arterial diastólica e sistólica, além de diminuir a peroxidação lipídica (ranço corporal).

2- Ajuda na prevenção do câncer
Um dos minerais que mais previne o câncer é o magnésio, que, como falamos antes, o gergelim está cheio. Um estudo publicado no Jornal Americano de Nutrição Clínica mostra que o risco de tumores colorretais diminui 13% e o risco de câncer colorretais diminui 12% a cada 100 mg magnésio consumido.

Para completar, gergelim tem uma lenhina solúvel conhecida como sesamina, que tem sido objeto de muitos estudos e se mostrado eficiente na inibição de células cancerígenas como a da leucemia, câncer de cólon, próstata, mama, pulmão e pâncreas. Além disso, as sementes contém fitato que possui funções antioxidantes que tiram os efeitos dos radicais livres e evitam que células cancerígenas se desenvolvam.

3- Protege contra o envelhecimento da pele
Estes mesmo antioxidantes que previnem o câncer também desaceleram o envelhecimento da pele. Evitam os efeitos nocivos dos raios ultravioletas, que inclui rugas e pigmentação da pele.

Além disso, o zinco ajuda a produzir colágeno, dando mais elasticidade para a pele e ajudando a reparar os tecidos do corpo em geral. As sementes ainda são ricas em vitamina B, que mantém cabelo, pele e olhos saudáveis e bonitos.
4- Ajuda a digestão e emagrece
As sementes possuem muitas fibras, que são fundamentais para uma digestão saudável, evitando constipação, diarreia e mantendo o cólon saudável. Além disso, as fibras auxiliam na perda de peso, pois elas aumentam a sensação de saciedade. Isso acontece porque elas demoram para ser digeridas, então você fica satisfeito mais rapidamente e demora mais para sentir fome mesmo consumindo menos calorias.

5- Bom para quem faz exercícios e quer desenvolver a musculatura
Gergelim é extremamente rico em proteína (são 4,7 gramas de proteína a cada 28 gramas de sementes), além de ser uma boa alternativa para os vegetarianos, ela é ideal para quem faz atividade física e quer desenvolver a musculatura. As proteínas ajudam a aumentar força, a acelerar o crescimento celular, aumentam a energia e aceleram o metabolismo como um todo (o que também ajuda a emagrecer).

6- Remédio para diabéticos
O magnésio presente nas sementes também tem propriedades que reduzem a chance de desenvolver diabetes e ajudar a administrar os sintomas da doença. Uma pesquisa publicada em 2011 no Jornal de Nutrição Clinica mostrou que o óleo de gergelim aumenta o efeito do remédio glibenclamida em pacientes que sofrem com a diabetes tipo 2.

7- Ossos saudáveis
As sementes de gergelim são um pequeno coquetel para os ossos: elas são ricas em zinco, cálcio e fósforo. Uma porção de semente de gergelim tem mais cálcio que um copo inteiro de leite! Esses minerais são fundamentais para o corpo regenerar o tecido dos ossos e evitar osteoporose. Um estudo no Jornal Americano de Nutrição Clínica provou que consumir menos zinco que o necessário pode causar osteoporose no quadril e na espinha.

Apesar de osteoporose ser mais comum em mulheres pós menopausa, esta também é uma doença comum nos homens. Estudos mostram que um em cada oito homens acima de 50 anos terão uma fraturas por osteoporose.

8- Baixa o colesterol
Os fitoesteróis presentes no gergelim tem uma estrutura química muito similar a do colesterol e conseguem diminuir o nível de LDL (colesterol ruim) no sangue ao bloquear a sua produção. Sementes de gergelim tem o maior nível fitoesteróis da natureza (400-413 mg a cada 100g). A substância ainda potencializa o poder do sistema imunológico e diminui a chance de desenvolver câncer.

Além disso, o gergelim é rico em ácidos (como o oléico) que também diminui o LDL e aumentam o HDL (colesterol bom) no sangue. Portanto, baixar o colesterol é um dos benefícios do gergelim.

9- Alivia artrite
Gergelim é rico em cobre, que tem propriedades anti-inflamatórias, aliviando a dor nas juntas, ossos, músculos e diminuindo a dor causada pela artrite. O cobre ainda é conhecido por fortalecer os vasos sanguíneos e melhorar a circulação

10- Protege da radiação
As sementes de gergelim protegem o DNA dos efeitos nocivos da radiação – seja radiação de fontes acidentais ou de tratamentos como quimioterapia. Protegendo o corpo dos efeitos da radiação, o gergelim diminui a probabilidade de câncer por mutação celular.

Um estudo feito com ratos estendeu o tempo de vida dos animais que estavam sendo tratados com radiação ao incluir gergelim na dieta diária, prevenindo os danos causados pelo tratamento.

11- Saúde bucal
Os benefícios do gergelim são tão abrangentes que chegam até a saúde bucal. O óleo das sementes na boca tem um poderoso efeito antibacteriano, previne placa bacteriana e clareia os dentes. Mas para ter esses efeitos, é preciso deixar o óleo na boca até ele ficar grosso e esbranquiçado.

12- Alivia dores de cabeça e enxaqueca
Quem sofre com enxaquecas frequentemente pode usar gergelim para diminuir as dores. O magnésio presente no gergelim evita espasmos dos vasos sanguíneos que desencadeia crises de enxaqueca. Já o cálcio, previne enxaquecas e dores de cabeça em geral.

13- Melhora respiração e evita asma
Além de todos os benefícios do gergelim, o magnésio presente no gergelim também previne asma e outros problemas da respiração – tornando todo sistema respiratório mais saudável.

14- Diminui a ansiedade
Sim, a semente de gergelim ainda possui minerais que ajudam a aliviar a ansiedade e o estresse como o magnésio e o cálcio. As vitaminas tiamina e triptofano, também presentes no gergelim, ajudam a produzir serotonina – o famoso hormônio da felicidade.

15- Ajuda na prevenção da esclerose múltipla
O óleo de gergelim evita o desenvolvimento da esclerose multipla ao diminuir a secreção de IFN-GAMA, um fator chave para iniciar inflamações e lesões no sistema nervoso. Estudos mostram também que gergelim é benéfico contra a doença de Huntington

16- Alivia anemia
As sementes, principalmente as pretas, são ricas em ferro, o que é fundamental para quem sofre com anemia.

Atenção
Porém, como tudo, o consumo em excesso pode ser um problema. As sementes podem irritar o estomago e o cólon, além de aparecer em teste de drogas devido a uma pequena quantidade de THC.

sábado, 6 de outubro de 2018

Leia isto e nunca mais você vai jogar fora esta semente

Se antes você jogava fora as sementes do maracujá, com certeza nunca mais vai fazer isso depois de ler esta matéria.

Os Benefícios da semente de maracujá para saúde são inúmeros. Além disso, do maracujá se aproveita tudo, a polpa, as sementes, a casca, as folhas, todos eles contém propriedades específicas que atuam em determinada função no organismo.

O Maracujá é uma das frutas mais produzidas no Brasil, um dos seus benefícios mais conhecidos é o de calmante natural, entretanto, a Semente de Maracujá apresenta um complexo de vitaminas que trazem grandes benefícios para a manutenção da saúde do organismo e da mente.
Valor nutricional da semente de maracujá:
Ela é rica em antioxidante, flavonoides, vitamina A, vitamina C, riboflavina, niacina, ferro, magnésio, fósforo, potássio, cobre, fibra e proteína. As porcentagens de muitas vitaminas e minerais são chocantemente altas. Conheça a seguir, Os 15 benefícios da semente de maracujá para saúde:

1. Combate a Insônia:
A Semente de Maracujá possui um composto chamado Harman, ele funciona como um sedativo.

Estudos realizados mostraram que este composto tem sido ligado a uma redução da insônia, agitação e ansiedade nervosa que são os principais motivos de uma noite ruim de sono.

2. Regula a Pressão Arterial:
Estas Sementes possui um alto teor de potássio, com quase nenhum sódio, sendo uma fruta altamente eficaz na proteção da pressão alta.

3. Beneficia a Saúde Óssea:
O betacaroteno é responsável no desenvolvimento normal dos ossos e dos dentes e na reparação dos tecidos do corpo.

4. Fortalece o Sistema Imunológico:
A vitamina C presente na Semente de Maracujá é um potente antioxidante natural solúvel em água que ajuda o corpo a desenvolver resistência contra agentes infecciosos e elimina os radicais livres causadores de câncer no organismo.

5. Favorece a Saúde Ocular:
A vitamina A encontradas nela também trás os benefícios do maracujá à saúde dos olhos, incluindo a prevenção da degeneração macular, a catarata e a cegueira noturna.

6. Melhora a Circulação Sanguínea:
A combinação do alto teor de ferro e cobre contidos na Semente de Maracujá aliada às propriedades vasodilatadoras do potássio pode realmente impactar a composição do nosso sangue e todo o sistema circulatório.

7. Auxilia na Perda de Peso:
A Semente de Maracujá são muito nutritivas para a saúde. Elas funcionam como fibra solúvel e podem ser de grande benefício para melhorar o metabolismo em pessoas em dieta de emagrecimento.
Outros benefícios da semente de Maracujá
- Redução do risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares;
- Combate o envelhecimento precoce;
- Combate a prisão de ventre;
- Aumenta os níveis de energia;
- Regula o açúcar no sangue;
- Previne infecções;
- Beneficia a saúde cerebral;
- Contém propriedades antioxidantes.

Então agora que você conhece todos os benefícios da semente de maracujá, espero que faça bom uso dessa fonte benefícios à saúde de agora em diante.