sábado, 21 de abril de 2018

Candidíase: O que é e como prevenir

A candidíase é uma infecção causada fungos do gênero Candida. Existem mais de 20 espécies de Candida, sendo que a mais comum a afetar os seres humanos é a Candida albicans.

A candidíase é uma doença que tem cura e pode afetar diversas áreas do corpo, como as partes íntimas, a boca, a pele e até mesmo ser sistêmica. A mais comum é a vaginal, atingindo 3 em cada 4 mulheres ao longo da vida.

Quando a doença afeta as partes íntimas, seus sintomas incluem coceira, vermelhidão, inchaço, entre outros. Quando afeta a boca, manchas brancas aparecem. Na pele, causa irritação. E quando é sistêmica, pode trazer sérias complicações, como problemas no sistema imune.

A candidíase não é uma DST. Por afetar a região genital, muitas pessoas acreditam que a Doença é Sexualmente Transmissível, mas não é.

O tratamento para candidíase envolve o uso de antifúngicos tópicos ou orais para combater a infecção. Para prevenir seu aparecimento e reaparecimento, ter cuidados com a higiene pessoal é extremamente necessário.

É muito importante ficar atento aos sinais da candidíase para que ela não se alastre e fique sem tratamento, pois existem muitos mitos com relação ao seu tratamento.



Transmissão

A candidíase normalmente não é transmitida. Na maior parte dos casos, ela é causada por deficiências no sistema imune e problemas de higiene ou no intestino. Entretanto, ela pode sim ser transmitida de uma pessoa para outra.

Quando a mulher tem candidíase, por exemplo, a transmissão da doença para o(a) parceiro(a) pode ocorrer.

Entretanto, no homem, a doença normalmente é assintomática, fazendo com que o risco do parceiro voltar a infectar a cônjuge depois dela já ter se curado da doença seja grande, pois durante o sexo, existe a troca de fluídos e o atrito da pele, que pode fazer com que o fungo passe de uma pessoa para outra.

Por essa razão, é importante que, quando diagnosticado na mulher um caso de candidíase, tanto o homem quanto a mulher façam o tratamento para a doença, mesmo que ele não apresente sintomas.

Fatores de risco

A candidíase é muito mais comum em mulheres do que homens. Estudos indicam que 3 em cada 4 mulheres sofrem ou vão sofrer de candidíase em algum momento da vida, enquanto nos homens, a proporção é de 2 a cada 10.

Existem alguns períodos em que as mulheres estão mais propensas a contrair a candidíase. São eles:

- Durante o uso de antibióticos

- Quando é portadora de diabetes

- No período menstrual

- Durante o uso de anticoncepcionais

- Quando se faz uso frequente de roupas apertadas ou molhadas

- Quando se anda com os pés descalços ou ao partilhar luvas

- Ao fazer higiene íntima mais de 2 vezes por dia e usar absorvente por mais de 3 horas seguidas

- Durante a relação sexual com o parceiro contaminado

- Caso se tenha HIV ou qualquer doença que deixe o sistema imunológico debilitado;

- Durante a gravidez.



Como prevenir

Existem algumas atitudes que você pode tomar no seu dia a dia para evitar que a candidíase ocorra. Dentre eles, estão:

- Lavar e secar bem a região íntima antes de dormir;

- Utilizar roupas pouco apertadas e de algodão;

- Dar preferência para ingestão de alimentos com probióticos e lactobacillus, como iogurte;

- Dormir sem calcinha;

- Fazer a higiene íntima com gel vaginal com pH entre 3,8 e 4,5, evitando todos os produtos e sabonetes com químicos.

- Uma outra dica valiosa é evitar a ingestão de alimentos ricos em carboidratos, gorduras e açúcar, já que eles são a principal fonte de alimento do fungo causador da candidíase vaginal.

Fortalecer o sistema imunológico

Como a doença normalmente se faz presente quando o sistema imunológico se encontra enfraquecido, fortalecê-lo é uma boa opção para prevenir e até mesmo tratar a doença. Confira algumas precauções que você pode tomar:

Fazer uso de probióticos

Além de liberarem pequenas quantidades de ácido lático e acético, que mantém a acidez estomacal em níveis saudáveis, os probióticos ajudam a reduzir a quantidade de Candida albicans no seu estômago.

Um estudo de 2009 da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, concluiu que um equilíbrio saudável das bactérias no intestino melhora o sistema imunológico. Níveis normais de bactérias aumentam a eficácia do sistema imune e ajudam o corpo a combater agentes patogênicos, pois a absorção de nutrientes ocorre da melhor forma possível.

Tomar vitaminas

A vitamina C ajuda a tratar a candidíase de 3 maneiras:

Fornecendo suporte às glândulas suprarrenais, dois pequenos órgãos essenciais para o metabolismo e a regulação do açúcar no sangue, assim como a produção de anti-inflamatórios e anti-histamínicos;

Estimulando o sistema imunológico, fornecendo mais força para o sistema imune combater a candidíase;

Aumentando a quantidade de ácido no estômago, o que retarda o desenvolvimento da candidíase.

As vitaminas A, E, bem como o ácido pantotênico, também conhecido como vitamina B5, são outras opções para fortalecer o sistema imune.

A vitamina A ajuda o corpo a derrotar infecções influenciando células em certas superfícies mucosas. Já o uso da vitamina E tem se mostrado uma boa forma de aumentar a eficácia do sistema imune.

Plantas medicinais e fitoterápicos

O uso de alguns remédios à base de plantas pode ajudar a diminuir o estresse no sistema imunológico. Entretanto, antes de iniciar qualquer tratamento com plantas medicinais ou com fitoterápicos, consulte um médico.