segunda-feira, 16 de julho de 2018

Forte e picante, a pimenta trás benefícios à saúde que você jamais imaginou.

Nativa das Américas, a pimenta ganhou o mundo após ser descoberta por Cristóvão Colombo, sendo hoje encontrada na forma de dezenas de espécies diferentes.
As pimentas agradam o paladar de muitos e são benéficas para o organismo por possuírem atividades antimicrobiana, anti inflamatória, anticancerígena, melhoram a digestão, diminuem os níveis de colesterol e, por ter efeito termogênico, ou seja, acelerar o metabolismo, ajudam a emagrecer. Mas nem todas as pimentas trazem esta lista de vantagens. Para colher tais benefícios é preciso que a pimenta seja do gênero Capsicum.

Esse grupo de pimentas já eram consumidas pelos índios brasileiros e em toda a América Latina antes mesmo da chegada dos europeus no Novo Mundo. Essas pimentas são os tipos mais interessantes para a saúde porque têm como princípio ativo os capsaicinoides.

As principais pimentas do gênero Capsicum produzidas no Brasil são: Jalapeno, pimenta de cheiro, pimenta de bode, cumari-do-Pará, malagueta, dedo-de-moça, murupi, biquinho e cambuci ou chapéu de frade. A quantidade de capsaicinoides de cada uma destas pimentas varia de acordo com a ardência dos frutos, quanto mais picante, maior a quantidade do princípio ativo.
1- Antioxidante
As pimentas do gênero Capsicum (vermelha, malagueta, dedo-de-moça, cambuci, jalapeño, americana, cumari-do-pará, de cheiro, murupi, entre outras) possuem substâncias que previnem doenças como diabetes, câncer e problemas do coração. Os antioxidantes são importantes também por combaterem o envelhecimento precoce.

2- Facilita a digestão
Ingerir pimenta aumenta a salivação e a secreção gástrica, o que potencializa a produção de enzimas e suco gástrico e facilita a digestão.

3- Acelera o metabolismo
O consumo eleva a temperatura do organismo e aumento o gasto calórico. A presença de capsaicina também previne o acúmulo de gordura na região da barriga.

4- Ajuda a emagrecer
A pimenta vermelha pode ser útil no emagrecimento por estimular o sistema nervoso, gerando aumento da liberação de catecolaminas, noradrenalina e adrenalina. Essas substâncias diminuem o apetite.

5- Controle do colesterol
Com o consumo, os níveis do colesterol bom (LDL) e dos triglicerídeos ficam controlados. Assim, a pressão arterial também fica em dia.

6- Prevenção do câncer
Seus componentes são considerados quimiopreventivos, antimutagênicos e anticarcinogênicas, o que previne vários tipos de câncer.

7- Combate a diabete
A capsaicina reduz o nível de glicose sanguínea e aumenta as taxas de insulina.

8- Atua no sistema circulatório
Suas vitaminas A, C, algumas do complexo B, além do potássio e do cálcio fazem com que a pimenta seja ótima para o sistema circulatório. Suas substâncias impedem a formação de coágulos e aumentam o calibre dos vasos sanguíneos, diminuindo as chances de um ataque cardíaco ou AVC (acidente vascular cerebral).

9- Afasta a depressão e alivia a dor
Pela presença de adrenalina e noradrenalina, quem consome a pimenta acaba ficando em estado de alerta, o que melhora o ânimo de pessoas deprimidas. Ao aumentar o fluxo sanguíneo periférico ela pode ajudar em casos de enxaqueca. Além disso, a capsaicina atua em dores de cabeça, mucosite oral, alergia cutânea e tumor de pele.

10- Ação anti inflamatória
Mais uma vez, a heroína é a capsaicina, que tem forte ação anti-inflamatória. Especialistas indicam o consumo diário de seis pimentas dedo-de-moça ou meia pimenta malagueta por dia, para atingir as taxas necessárias de capsaicina.
Quanto mais forte o sabor da pimenta, maior o seu conteúdo de capsaicina, que está presente principalmente nas sementes e nas nervuras da casca da pimenta.