terça-feira, 14 de agosto de 2018

Castanha do Pará

Você só precisa comer uma castanha do Pará por dia.
Parece pouco não é? Mas apenas uma unidade dessa oleaginosa concentra nada menos do que 200 a 400 microgramas de selênio. Para ter ideia de quão rica é a castanha nesse sentido, saiba que um adulto precisa de pelo menos 55 microgramas diários do mineral.
Portanto, o alimento fornece de quatros a sete vezes mais selênio do que o recomendado. Mas por que esse nutriente é tão cultuado pelos especialistas em nutrição? Bem, trata-se de uma substância extremamente promissora na prevenção de várias doenças, entre elas o Alzheimer, que apaga a memória e outras funções cognitivas.

A presença de selênio é essencial para a formação de uma enzima batizada de glutationa peroxidase. Não precisa se arrepiar com o palavrão. Essa enzima é uma das mais poderosas na hora de neutralizar os radicais livres, aquelas moléculas que, se abundam no corpo, causam todo o tipo de encrenca no corpo – inclusive a morte de neurônios e a rede formada por eles.

Um estudo brasileiro observou que pessoas com comprometimento cognitivo tinham uma deficiência muito maior de selênio. Mais uma castanha por dia se mostrou suficiente para dar um gás na função cognitiva de voluntários idosos.
Além do cérebro, a tireoide funciona melhor quando o selênio está em cena. Tudo porque o mineral contribui para a produção correta dos seus célebres hormônios, o T3 e o T4. Devido à forte ação antioxidante, não é de espantar que o nutriente ainda seja associado à prevenção de doenças cardíacas. E a proteção do peito não tem a ver só com selênio. A castanha acumula gordura insaturada, versão que contribui para a queda dos níveis de colesterol ruim no sangue.

Por causa do conteúdo gorduroso, é recomendado comê-la antes de uma das principais refeições. Isso porque esse nutriente costuma demorar mais tempo para ser digerido pelo corpo. Trocando em miúdos: Prolonga a sensação de saciedade. Então, ao ficar diante de pratos e travessas, a tendência é pegar mais leve.

Com tantos pontos fortes, dá até vontade de se entupir dessa oleaginosa. Mas segure a onda. A riqueza em selênio é bacana, só que abusar do mineral acarreta prejuízos. Os mais comuns são mau hálito, unhas fracas e quebradiças, alterações na pele e queda de cabelo.
O valor considerado excessivo, segundo os experts, é de 800 microgramas – nada impossível de atingir. Claro: ninguém precisa se martirizar se abusar uma vez ou outra. O perigo é fazer isso sempre. Sem falar no risco de se entupir de gordura… Por mais positiva que ela seja, carrega muitas calorias – recado que, diga-se, se estende a outras oleaginosas. Aí a cintura paga o pato.

OUTRAS OLEAGINOSAS QUE VALEM A PENA

Nozes
O fruto da nogueira tem sido muito estudado. Oferece bastante magnésio, mineral essencial para combater a fadiga e proteger os ossos e, entre a família das nuts, é uma das opções mais ricas em gordura poli-insaturada. Como é calórica, nada de abusar.

Castanha-de-caju
É uma das campeãs em gorduras monoinsaturadas – em três unidades, são cerca de 2 gramas. Ela ainda esbanja fósforo, nutriente importante para diminuir o risco de osteoporose, e potássio, que ajuda a espantar a hipertensão.

Amêndoa
Estudos indicam que, devido à associação de gorduras monoinsaturadas e fibras, o fruto da amendoeira ajuda a controlar os picos de glicose e contribui para o emagrecimento. A vitamina E, um tremendo antioxidante, também dá as caras nesse alimento.

Pistache
Depois da amêndoa, é a oleaginosa com menos gordura saturada, problemática para o peito. Ele carrega cálcio, o mineral dos ossos fortes, e tem um teor legal de vitamina B6, nutriente que ajuda na formação de serotonina, por trás da sensação de bem-estar.

Amendoim
Também é aliado da boa forma, por causa das gorduras e fibras. Quando ele entra na rotina, a tendência é ver o colesterol ruim, o LDL, cair, o que reduz a probabilidade de doenças cardíacas. Só fuja das versões salgadas ou coloridas, cheias de sódio.

Avelã
Possui propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias. Tem ácido fólico, substância capaz de baixar os níveis de homocisteína, associada a perrengues cardíacos. Mas pegue leve nas versões torradas e abastecidas de açúcar ou que servem de cobertura para doces.

Dica de armazenamento:
Elas devem ser guardadas em um pote fechado e na geladeira.