sábado, 4 de agosto de 2018

Labirintite: Causas e tratamento

O que é Labirintite?
A labirintite é uma doença do ouvido que afeta o labirinto e suas estruturas responsáveis pela audição (cóclea) e pelo equilíbrio (vestíbulo). As pessoas costumam chamar qualquer distúrbio na região do ouvido interno de labirintite. O termo correto é labirintopatia, sendo labirintite uma delas.
Causas:
As causas da labirintite ainda não são claras. Mas sabe-se, porém, que infecções e inflamações sejam as principais causas para a doença, como a otite média e o resfriado. Outros fatores, ainda que com menos frequência, também podem provocar labirintite, a exemplo de tumores, doenças neurológicas, compressões mecânicas, alterações genéticas, alergias e o uso de medicamentos perigosos para a saúde do ouvido interno.
Na labirintite, as áreas do ouvido interno ficam inflamadas e irritadas, fazendo os nervos do vestíbulo enviarem sinais incorretos ao cérebro como se o corpo estivesse se movendo. No entanto, outros sentidos, como a visão, não detectam esse movimento, causando uma confusão entre os sinais recebidos pelo cérebro e, consequentemente, a perda das noções de equilíbrio.

Podemos dividir as causas da labirintite em:

Virais: ou seja, oriundas de infecções por vírus na boca, nariz e vias aéreas
Bacterianas: invasão de uma bactéria no labirinto, muitas vezes ligada à meningite
Emocionais: causada pelo estresse.

Fatores de risco:
Alguns fatores considerados de risco aumentam as chances de uma pessoa desenvolver labirintite, veja:

- Ter idade acima dos 40 ou 50 anos
- Hipoglicemia
- Colesterol alto
- Hipertensão
-Diabetes
- Triglicérides
- Otite
- Consumo exagerado de álcool
- Tabagismo
- Consumir café em excesso
- Uso de medicamentos, como alguns antibióticos, anti-inflamatórios e remédios para estresse e ansiedade
- Altas taxas de ácido úrico
- Má alimentação
- Jejum prolongado
- Consumir açúcar em excesso.
Sintomas de Labirintite:
O principal sintoma da labirintite é a vertigem, em que a pessoa sente que tudo ao seu redor está girando. Muitas vezes ela pode vir acompanhada de outros sintomas, como:

- Tontura
- Náuseas e vômito
- Sudorese
- Alterações gastrintestinais
- Perda de audição
- Desequilíbrio
- Zumbidos no ouvido
- Audição diminuída
- Queda de cabelo.

Doenças que parecem labirintite, mas não são:
Quadros neurológicos, como tumores e acidente vascular cerebral (AVC), podem se manifestar com tontura que mimetiza problemas do labirinto. Doenças metabólicas como diabetes descompensado e hipertensão arterial sem controle também podem se apresentar com tontura como primeiro sintoma.

Onde procurar ajuda:
Especialistas que podem diagnosticar labirintite são:

Clínico geral
Otorrinolaringologista.
Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações:

Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram
Histórico médico, incluindo outras condições que o paciente tenha e medicamentos ou suplementos que ele tome com regularidade
Se possível, peça para uma pessoa te acompanhar.

Tratamento para crises de labirintite:
Se a pessoa estiver em crise de tontura, são indicadas medicações sedativas, que diminuem a ação do labirinto e reduzem o reflexo de náusea. Se os sintomas forem muito intensos, pode ser necessária internação para aplicação das medicações. Em quadros mais leves, a medicação pode ser via oral, com reavaliação precoce por um médico.

Reabilitação do labirinto
A reabilitação labiríntica é uma terapia realizada em várias sessões com o intuito de melhorar o desempenho de todo o sistema do equilíbrio. São exercícios realizados pelo paciente com acompanhamento de fisioterapeuta ou fonoaudiólogo em que são estimulados todos os componentes do equilíbrio. É muito indicada para pessoas mais idosas.

Medicamentos para Labirintite:
Os medicamentos mais usados para o tratamento de labirintite são:

- Betaserc
- Clopam
- Cinarizina
- Dramin
- Dramin B6
- Dramin B6 DL
- Labirin
- Vertix.

ATENÇÃO:
Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula.

O que fazer durante uma crise de labirintite?
Se você apresentar uma crise súbita de tontura, tente manter a calma e fixar os olhos em um objeto. A visão é um dos componentes do equilíbrio e pode auxiliar a reduzir a intensidade da crise. Procure um serviço médico e evite situações que possam colocá-lo em risco, como dirigir veículo ou andar sozinho.

Prevenção:
Mudanças no estilo de vida são fundamentais para prevenir as crises de labirintite. Eis algumas sugestões:

- Evite ingerir álcool. Se beber, faça-o com muita moderação
- Não fume
- Controle os níveis de colesterol, triglicérides e a glicemia
- Opte por uma dieta saudável que ajude a manter o peso adequado e equilibrado
- Não deixe grandes intervalos entre uma refeição e outra
- Pratique atividade física
- Ingira bastante líquido
- Evite beber bebidas gaseificadas
- Procure administrar, da melhor forma possível, as crises de ansiedade e o estresse.

ANTES DE INICIAR QUALQUER TRATAMENTO, PROCURE ORIENTAÇÃO MÉDICA.